Juventudes del campo en Brasil

Migración, Educación y Terapia Ocupacional Social

Resumen

Una de las temáticas centrales que implican a los jóvenes del campo en Brasil es el proceso de migración, haciendo que dejen el campo en dirección de la zona urbana. Esta decisión entre quedarse o salir es atravesada por diversas cuestiones, significados y disputas. En este estudio, el objetivo fue aprehender y situar las posibles relaciones entre la educación escolar y la migración, adensadas por una reflexión sobre las posibilidades de acción de la terapia ocupacional social en ese ámbito. Hay mucho que hacer para la consolidación de una educación escolar que permita a los jóvenes del campo mayores elecciones con respecto a los rumbos de sus vidas, sin tantas tensiones que vienen del status quo. Se proyecta que acciones terapéutico-ocupacionales pueden contribuir a la ecuación de esas problemáticas, con estrategias para la ampliación de las posibilidades de inserción social de esos jóvenes.

Biografía del autor

Doutorando em Educação pela Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, Bolsista Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). Terapeuta Ocupacional pela Universidade de Brasília (UnB). Integra o Núcleo de Extensão e Pesquisa em Educação e Desenvolvimento do Campo – NEPCampo na Universidade Federal de Goiás – UFG e o Grupo de Pesquisa “Cidadania, Ação Social, Educação e Terapia Ocupacional” do Laboratório METUIA do Departamento de Terapia Ocupacional (DTO) da UFSCar.

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia. Professor Adjunto na Unidade Acadêmica Especial de Educação da UFG. Líder do Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Ensino de Ciências e Formação de Professores - GEPEEC/UFG e vice-líder do NEPCampo /UFG.

Roseli Esquerdo Lopes

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Professora Titular do Departamento de Terapia Ocupacional da UFSCar e dos Programas de Pós-Graduação em Educação e em Terapia Ocuapacional da UFSCar. Coordenadora do Laboratório METUIA do DTO/UFSCar.

Citas

Alves, M. Z. (2013). Ser alguém na vida: condição juvenil e projetos de vida de jovens moradores de um município rural da microrregião de Governador Valadares-MG. (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.
Barros, D. D., Lopes, R. E. & Galheigo, S. M. (2007). Terapia Ocupacional Social: Concepções e Perspectivas. In A. Cavalcanti & C. Galvão (Orgs.). Terapia Ocupacional: Fundamentação e Prática (p. 347-353). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.
Bittar, M. (2012). A educação brasileira no século XX: um balanço crítico. In A. Ferreira Jr, C. R. M. Hayashi & J. C. Lombardi (Orgs.). A educação brasileira no século XX e as perspectivas para o século XXI (p. 79-196). São Paulo: Alínea Editora.
Bittar, M., & Bittar, M. (2012). História da Educação no Brasil: a escola pública no processo de democratização da sociedade. Acta Scientiarum Education Maringá, 34 (2), 157-168.
Brasil, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (2015). Plano Nacional de Educação PNE 2014-2024: Linha de Base. Brasília, DF: Inep.
Caldart, R. S. (2008). Sobre educação do campo. In C. A. Santos (Org.). Educação do campo: campo - políticas públicas – educação (p. 67-97). Brasília: INCRA; MDA.
Caldart, R S. (2012). Educação do Campo. In R. Caldart et al. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (p. 257-265). Rio de Janeiro: Expressão Popular.
Castro, E. G. (2009). Juventude rural no Brasil: processos de exclusão e a construção de um ator político. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, 7(1), 179-208.
Castro, E. G. (2016). Juventude rural, do campo, das águas e das florestas: a primeira geração jovem dos movimentos sociais no Brasil e sua incidência nas políticas públicas de juventude. Revista de Ciências Sociais, 45 (1), 193-212.
Castro, E. G. (2012). Juventude do Campo. In R. Caldart et al. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (p. 437-444). Rio de Janeiro: Expressão Popular.
Carneiro, M.J. (2007). Juventude e novas mentalidades no cenário rural. In M. J. Carneiro & E.G. Castro (Orgs.). Juventude Rural em perspectiva (p.53-66). Rio de Janeiro: Mauad X.
Carvalho, R.A. (2011). A construção da identidade e da cultura dos povos do campo, entre o preconceito e a resistência: o papel da educação. (Doutorado em Educação). Universidade Metodista de Piracicaba, São Paulo.
Decreto № 7.352, de 4 de novembro de 2010 (2010). Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7352.htm
Farias, M. N., & Faleiro, W. (2017). Contribuições da Terapia Ocupacional Social nas escolas do campo. Rev. Bras. Educ. Camp., 2(2), 542-562. doi:http://dx.doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2017v2n2p542
Fiorati, R.C. (2014). A contribuição da hermenêutica crítica de Jürgen Habermas para a Terapia Ocupacional Social. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, 22 (2), 443-453.
Ferreira, B., & Alves, F. (2009). Juventude Rural: alguns impasses e sua importância para a agricultura familiar. In J.A. Castro, L.M.C. Aquino & C.C. Andrade (Orgs.). Juventude e políticas sociais no Brasil (p. 243-258). Brasília: Ipea.
Freire, P. (1981). Ação cultural para a liberdade (5 ed). Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Freire, P., & Shor, I. (1986). Medo e Ousadia – O Cotidiano do Professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido (17 ed). Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Freire, J.S., & Castro, E. (2007). Juventude na Amazônia Paraense: identidade e cotidiano de jovens assentados da reforma agrária. In M.J. Carneiro & E.G. Castro. Juventude Rural em perspectiva (p.215-236). Rio de Janeiro: Mauad X.
Lopes, R., & Malfitano, A. P. S. (2016). Terapia ocupacional social: desenhos teóricos e contornos práticos. In R. Lopes & A.P. Malfitano (Orgs.). Terapia ocupacional social: desenhos teóricos e contornos práticos (p.17-25). São Carlos: EdUFSCar.
Lopes, R. (2016). Cidadania, direitos e terapia ocupacional. In R. Lopes & A. P. Malfitano (Orgs.). Terapia Ocupacional Social, desenhos teóricos e contornos práticos (p. 29–48). São Carlos: EdUFSCar.
Lopes, R., Malfitano, A. P., Silva, C. R., & Borba, P. L. (2015). Historia, Conceptos y Propuestas en la Terapia Ocupacional Social de Brasil. Revista Chilena de Terapia Ocupacional, 15(1), 73–84. Recuperado de https://revistaderechoambiental.uchile.cl/index.php/RTO/.../38708
Lopes, R. E., Malfitano, A. P. S., Silva, C. R., & Borba, P. L. O. (2014). Recursos e tecnologias em Terapia Ocupacional Social: ações com jovens pobres na cidade. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, 22 (3), 591-602.
Lopes, R. E., & Silva, C. R. (2007). O campo da educação e demandas para a terapia ocupacional no Brasil. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, 18(3), 158-164.
Lima, M. M. A., & Silva, C. (2015). Educação do campo: o descompasso entre a legislação e a realidade educacional para as comunidades camponesas. Revista Lugares de Educação, 5 (11), 241-254.
Galheigo, S.M. (2007). Terapia ocupacional em al ámbito social: aclarando conceptos e ideas. In F. Kronenberg, S.S. Algado & N. Pollard (Orgs.). Terapia ocupacional sín fronteras: aprendiendo el espíritu de supervivientes (p. 85-97). Buenos Aires – Madrid: Médica Panamericana.
Galheigo, S.M. (2016). Terapia ocupacional social: uma síntese histórica acerca da constituição de um campo de saber e de prática. In R. Lopes & A. P. Malfitano (Orgs.). Terapia Ocupacional Social, desenhos teóricos e contornos práticos (p. 49–68). São Carlos: EdUFSCar.
Malfitano, A. P. S. (2005). Campos e núcleos de intervenção na terapia ocupacional social. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, 16 (1),1-8.
Molina, M. C. (2015). Prefácio. In G. Leão & M. Antunes-Rocha (Orgs.). Juventudes do campo (p. 13-16). Belo Horizonte: Autêntica Editora.
Nunes, K.C.S. (2008). Políticas Educacionais e Formação de Professores no Sistema Neoliberal: uma análise da Educação Rural no Município de Pedro Afonso - Tocantins de 2002 a 2006 (Mestrado em Educação). Universidade Católica de Goiás, Goiás.
Sennett, R. (2004). Respeito: a formação do caráter em um mundo desigual. Rio de Janeiro: Record.
Zago, N. (2016). Migração rural-urbana, juventude e ensino superior. Revista Brasileira de Educação, 21 (64), 61-78. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782016216404.
Palabras clave Juventudes; terapia ocupacional social; educación escolar; migración; participación social.
Compartir
Cómo citar
Farias, M., Faleiro, W., & Lopes, R. (2019). Juventudes del campo en Brasil. Revista Chilena de Terapia Ocupacional, 19(2), 51 - 62. doi:10.5354/0719-5346.2019.52375
Sección
Artículos
Publicado
2019-12-30